Vale do Silício: Faculdades e Universidades na Califórnia

Faculdades e Universidades no Vale do Silício
Faculdades e Universidades no Vale do Silício

Como eu morei no Vale do Silício por 13 meses, eu conheci algumas faculdade lá: Stanford, San José Stadual College e de Anza Comunitty College. Também conheci uma outra da qual não me lembro o nome.

Abaixo irei relatar algumas coisas sobre a minha experiência, mas também vale à pena conferir a opinião neste vídeo, sobre as diferenças entre algumas universidades dos EUA; dentre elas, encontra-se Stanford, que fica no Vale do Silício:

Universidade Stanford no Vale do Silício, Califórnia

Eu dividi o quarto com uma negra de Brooklin. Ela fazia faculdade de direito em Stanford, era muito gente fina e adorava panqueca. Ela entrou na república depois de o indiano ter empurrado a Missy, minha vizinha de porta da frente; o indiano, até então, dividia o quarto comigo, fazendo nojeiras inimagináveis e roncando muito.

Faculdades e Universidades no Vale do Silício
Faculdades e Universidades no Vale do Silício

Apesar de eu ter morado, por dez dias, num hostel, que, na verdade, era uma república de uns jovens estudantes de Stanford e de ter dividido o quarto com outra estudante de lá, eu nunca, realmente conheci a universidade, apenas o seu esgoto, ou o sistema de escoamento de águas fluviais, como queiram.

Creio que seja, realmente, mais correto chamar o lugar que conheci de Stanford de canos de escoamento de águas da chuva do que esgoto, pois não havia nenhuma água com bosta ali. Muito pelo contrário, o lugar era bem limpo, mas cheio de pixações ou mesmo arte nas paredes dos canos, que eram imensos. Eu entrei lá escondido com uma turma de doze pessoas durante a madrugada, crente que iria me enturmar com os americanos, o que, creio eu, nunca aconteceu. Êita povo difícil de interagir!

Colégio Estadual de San José, na Califórnia

Quem pensa que faculdade nos Estados Unidos é coisa de outro mundo, engana-se. Fazer faculdade no Vale do Silício pode ser muito mais acessível que cursar a PUC, por exemplo. O colégio estadual, nos Estados Unidos, ao contrário do Brasil, não são grauitos, tão pouco caros. A mensalidade deles gira em torno de mil dólares por mês e todo o dinheiro arrecadado, como deveria acontecer em instituições brasileiras que se dizem fundação, é convertido para custear a faculdade, que possuem infraestruturas de dar inveja em todas as universidades brasileiras.

A Faculdade Estadual de San José conta, inclusive, com um telescópio gigante que, infelizmente, vi apenas por fora. Minha vida no Vale do Silício era assim: ver com a testa e lamber com os zói. Mesmo assim aproveitei cada minuto. Meu inglês voltou muito melhor e minha visão de mundo mais ampliada: o suficiente para não cair em papo de político corrupto, que passei a odiar.

Colégio Comunitário De Anza

Sunny Vale, onde morei a maior parte do tempo, era um bairro colado em Cupertino. Ambas partes do complexo de cidades que formam o Vale do Silício, onze ao todo, que ficam a uma hora de trem de São Francisco.

Em Cupertino, ficava a faculdade comunitário De Anza, também de excelente infraestrutura e com diversas atividades extracurriculares. Se tem algo de que eu me arrependa de não ter feito é participado mais de uma vida estudantil, talvez assim eu conseguisse arrumar mais amigos americanos, coisa que não era fácil. Dentre as atividades que essa faculdade comunitária oferecia, pelo que entendi gratuitamente, estavam, inclusive, aulas de capoeira e olodum, atividade de batucada que sou doido pra aprender.

Como funciona uma faculdade comunitária nos EUA?

Eu nunca entendi muito bem o que é uma faculdade comunitária nos EUA. Creio que seja uma instituição para nivelar todos os alunos antes deles irem para a faculdade. Parece que as escolas lá, podem variar muito de qualidade, mais ainda que aqui no Brasil. Um erro muito comum é achar que escolas brasileiras são melhores que as americanas. Contudo, essa é uma visão de classe média que nunca largou a escolinha que o papai paga e que, talvez por isso, fique apoiano políticos que dizem ajudar os pobres sem, talvez, nem mesmo, conviver com pessoas desta classe.

O que, talvez, nos faça pensar que a educação americana é pior que a brasileira, seja o fato de que, pelo menos, socialmente, o brasileiro é, sim, mais safo. Entretanto, a educação lá é técnica, o que leva à crítica apressada de alguns que dizem “ah, mas a escola tem que fazer mais”, mas, a realidade, é que o brasileiro aprende a se portar nas mais variadas situações sociais vivendo, e não escutando palestra na escola. E vida social, é uma coisa que falta aos americanos, pois nem na rua a gente os vê. Muito estranho!

Apesar das dicas acima, obviamente há pessoas que só podem estudar no brasil. Pensando nelas, decidi fazer uma plataforma de educação à distância que funciona como um cursinho online para o ENEM, que viabiliza dicas sobre como estudar para o ENEM gratuitamente. Confiram!